AtacamaBolíviaChileRoteirosUyuni

Salar de Uyuni e Atacama: roteiro de 5 dias e dicas para a sua viagem

Salar de Uyuni - Bolívia

Viajar para o Salar de Uyuni e o Deserto do Atacama é sempre complexo e gera muitas dúvidas. Qual o melhor roteiro? Tem perrengue? O que realmente precisa levar?

Com esse texto vamos tentar esclarecer todas essas dúvidas e facilitar a sua viagem. Fizemos um roteiro compacto e econômico de cinco dias, passando por paisagens surreais e conhecendo um dos lugares mais espetaculares do planeta.

A viagem é realmente uma aventura e precisa de muita disposição para enfrentar o maior salar e o deserto mais seco do mundo. Mas é possível fazer tudo isso sem perrengue e aproveitando o melhor desses dois lugares incríveis.

Nosso roteiro

Dia 1: Uyuni, Cemitério de Trens, Colchani, Salar de Uyuni, Isla Incahualsi, hotel de sal.

Dia 2: Mirante do Vulcão Ollagüe, Laguna Cañapa, Laguna Hedionda, Laguna Honda, Deserto de Siloli, Árvore de Pedra, Laguna Colorada.

Dia 3: Gêiser Sol da Manhã, Termas de Polques, Deserto de Dalí, Lagunas Verde e Branca, San Pedro de Atacama.

Dia 4: Laguna Cejar e Tour Astronômico.

Dia 5: Piedras Rojas e Lagunas Altiplânicas.

O roteiro completo dessa viagem começou em La Paz, na Bolívia, e fizemos um texto com dicas do que fazer na cidade. É só clicar aqui para conferir todas as dicas de La Paz.

Por que fizemos esse roteiro?

Roteiro Uyuni e Atacama
Estrada em San Pedro de Atacama

Fazer o Salar de Uyuni e conhecer San Pedro de Atacama em uma mesma viagem é uma forma inteligente de conhecer dois destinos remotos que ficam bem próximos, basta atravessar a fronteira.

É possível fazer o tour pelo Uyuni começando pela Bolívia ou pelo Chile. Decidimos começar pela Bolívia por uma questão logística e financeira.

Cemitério de Trens, Uyuni

Os tours que saem do Uyuni são mais baratos do que do Atacama, mesmo fazendo o mesmo roteiro, então já economizamos um pouquinho aí. Também calculamos os preços das passagens aéreas e vimos que era mais vantajoso chegar por La Paz, na Bolívia, e voltar por Calama, no Chile.

O fator logística foi basicamente por conta do horário. Fomos de La Paz para o Uyuni de ônibus na madrugada e chegamos às 6h na cidade, para iniciar o tour às 10h.

Se fizéssemos o sentido contrário, terminaríamos o tour no Uyuni no último dia por volta das 12h e teríamos que esperar até às 21h para pegar o ônibus para La Paz. Ou seja, ficaríamos o dia inteiro em uma cidade sem nada para fazer.

O que levar para o Uyuni e Atacama

Salar de Uyuni

O tour de três dias pelo Uyuni passa por um dos lugares mais inóspitos do mundo e as paradas têm infraestrutura bem simples, então é importante estar preparado para não passar perrengue.

O mais importante é levar roupas quentes e uma blusa corta vento, pois todo o passeio é feito na altitude e muitos lugares venta bastante.

Para o Salar de Uyuni é ESSENCIAL óculos escuro e protetor solar. O sol no deserto é muito forte e o reflexo no sal brilha com intensidade. Tentei tirar os óculos por um momento e meus olhos começaram a lacrimejar na hora. Manteiga de cacau também é outro item importante para proteger os lábios do tempo seco.

Salar de Uyuni

Mesmo com café da manhã, almoço e jantar inclusos no Uyuni, é bom levar bolacha ou barrinhas de cereal para comer entre as refeições, e pelo menos 3 litros de água por pessoa.

Os hostels são bem simples e não têm grande infraestrutura. Por isso, leve toalha (para o banho e para as termas), sabonete líquido, lenço umedecido e papel higiênico, esse último para alguma emergência no caminho.

Já no Atacama, as coisas são bem mais estruturadas e você não precisa de nada além do que já levou para o Uyuni. É só checar a temperatura das atrações para escolher a melhor roupa.

Dinheiro

Ter dinheiro para custos extras na excursão pelo Uyuni também é fundamental. Já reserve pelo menos 186 bolivianos (abril/2023) em espécie para o ingresso dos parques. É obrigatório pagar apenas a entrada da Reserva Nacional, que custa 150 bolivianos (abril/2023), para seguir viagem, mas sugerimos entrar nos outros parques também.

Durante a viagem, todos banheiros das paradas cobram 5 bolivianos. Já para tomar banho quente nos hostels, prepare-se para desembolsar mais 10 ou 20 bolivianos. Outro gasto que talvez apareça é a “taxa” de 15 bolivianos para carimbar o passaporte antes de atravessar a fronteira entre a Bolívia e o Chile. Esse valor não é oficial e na verdade é propina, mas não temos o que fazer. Cobraram da gente e tivemos que pagar.

Com isso, é importante levar pelo menos 250 bolivianos por pessoa (abril/2023), contando também com possíveis gastos com lembrancinhas ou comida que você pode comprar pelo caminho.

Uyuni

Sobre o Salar de Uyuni

Salar de Uyuni, Bolívia

O Salar de Uyuni tem 12.000m² e está localizado no sudoeste da Bolívia, em uma região de altiplano, a 3.656 metros acima do nível do mar. Ele é o maior deserto de sal do mundo e único ponto brilhante natural que pode ser visto do espaço. Serviu inclusive de orientação para os astronautas da Apollo 11 chegarem à lua, em 1969.

A origem do salar vem de milhões de anos atrás. Toda aquela região era mar, mas por conta dos terremotos que formaram a Cordilheira dos Andes, a água salgada ficou represada no meio das montanhas, formando enormes lagos salgados. A evaporação dessa água ao longo dos anos deu origem ao Salar de Uyuni e a outros salares próximos.

Quando ir para o Salar de Uyuni

Salar de Uyuni espelhado

Para ver o Salar de Uyuni espelhado, a melhor época do ano é entre a metade de março e o início de abril. Além do espelho d’água, você provavelmente vai encontrar o salar sem chuva e com temperaturas mais amenas.

O verão é a época mais chuvosa e com certeza o salar estará espelhado. Porém, a chuva pode alagar alguns caminhos, impossibilitando a visita de algumas atrações ou atrasando o seu roteiro.

Depois de abril é difícil encontrar o salar espelhado, mas não é por isso que ele deixa de ser bonito. A imensidão de sal é impressionante em qualquer época do ano.

O inverno é o período mais frio no Salar de Uyuni, com temperaturas que podem ficar constantemente abaixo de zero. Se for nessa época, prepare as blusas.

Qual agência contratar no Uyuni

Carro Fui, Gostei Trips
O carro é um grande diferencial do tour

Escolher uma boa agência é essencial para a sua viagem. Pense que você passará três dias em um lugar inóspito e com poucos recursos. Por isso, é muito importante ter um bom veículo e um bom guia. Será ele o responsável por dirigir, explicar sobre as atrações, cozinhar, tirar fotos e fazer modificações no roteiro, caso seja necessário.

No centrinho do Uyuni há muitas agências que cobram os mais variados preços. E contratar as mais baratas pode influenciar totalmente sua experiência, já que o serviço prestado também será mais básico. Mas no Uyuni, isso pode se tornar um pesadelo.

Deserto de Siloli
Carro mais antigo quebrado no Deserto de Siloli

Vimos alguns grupos com carros bem antigos – um deles quebrou no caminho -, pessoas com problemas na hospedagem, além lermos vários relatos de perrengue, inclusive falando de motoristas bêbados.

Nós fechamos nosso passeio com a Fui, Gostei Trips, uma agência brasileira que nos deu todo o suporte em português antes da viagem. Nosso único trabalho foi chegar na agência parceira lá no Uyuni.

Carro no Salar de Uyuni
Nosso guia Flávio foi super solícito durante todo o passeio

O atendimento do suporte brasileiro e da agência na Bolívia foi ótimo. O carro mais novo e confortável foi um grande diferencial na viagem, já que passamos três dias andando em estrada de terra. Nosso guia, o Flávio, também foi fundamental para fazermos um passeio tranquilo. Além de dirigir bem e saber os melhores horários para chegar em cada parada, ele é super gente boa.

Leitores do nosso blog têm 10% de desconto no valor de reserva com a Fui, Gostei Trips. Basta pedir o catálogo de preços através deste link, que o desconto será aplicado caso você feche algum passeio com eles.

Perrengues no Uyuni

Perrengues Uyuni
Deserto de Siloli, Bolívia

Ouvimos muitas histórias de perrengues no Uyuni, mas depois de fazer o tour, chegamos a conclusão que o mais importante é pesquisar bem para saber o que vai enfrentar. Assim, você já estará preparado para o que pode acontecer. Nos relatos de perrengues, a maioria caiu em alguma cilada por falta de conhecimento.

Nós não passamos perrengue, mas tivemos que abrir mão de alguns luxos. Foi a primeira vez que ficamos em quarto compartilhado, por exemplo, mas para nós não teve problema, ainda mais porque ficamos com outro casal de brasileiros.

Sobre os banhos quentes pagos, a gente já havia sido avisado pela agência que era assim, então não consideramos um perrengue. Inclusive nem tomamos banho no segundo dia. O banheiro era compartilhado, tinha muita gente na fila e estava o maior frio haha.

Lembre-se que você estará entre 3.600 e 5.000 metros de altitude o caminho inteiro e pode sofrer com o mal de altitude. O tempo também é bem seco e não é incomum o nariz sangrar por conta disso – aconteceu com a Camila.

Rota pelo Uyuni

O trajeto dentro da Bolívia é todo em estrada de terra (ou sal), então já tenha em mente que vai balançar bastante. Internet também é algo raríssimo por lá. Durante os três dias só tivemos uma parada rápida que tinha wi-fi, mas de péssima qualidade. Só carregaram as mensagens novas do WhatsApp e não conseguimos enviar nem um “oi, estamos vivos”.

Sabendo que vai enfrentar todos esses desafios, com certeza sua mente estará mais preparada para esses três dias de aventura.

Claro que isso não imuniza você de ter algum problema com o carro, de pegar um guia ruim ou de cair em um grupo com pessoas chatas. Problemas podem acontecer, mas estar preparado é fundamental.

Roteiro de 5 dias no Uyuni e Atacama

Roteiro no Uyuni

Fantástico, surreal e inesquecível. Esse poderia ser facilmente o resumo da viagem. O Salar de Uyuni é um espetáculo e dispensa comentários, mas o tour de três dias passa por uma variedade de lugares que deixam a viagem ainda mais inacreditável.

O tour é feito em um carro 4×4 com um grupo de seis pessoas, mais o motorista. São cerca de 700 km andando em estrada de terra, atravessando lugares isolados com as mais surpreendentes paisagens.

Já o Atacama é um complemento perfeito para finalizar a viagem. O Chile é bem mais estruturado e tem muitas opções de passeios. Eles são feitos de van, em grupos maiores, sempre em bate e voltas saindo do centro da cidade.

Dia 1 – Salar de Uyuni

Saímos da cidade de Uyuni e fomos para o Cemitério de Trens. O nome faz jus ao cenário. São vários vagões abandonados onde os turistas se penduram para achar o melhor ângulo para as fotos.

Cemitério de Trens, Uyuni
Cemitério de Trens

Em seguida, vamos para Colchani, um vilarejo que vive da extração de sal do Uyuni. Vimos um pouco do processo de produção do sal e ficamos lá por um tempo para comprar lembrancinhas nas lojinhas locais.

Nossa terceira parada é o ponto mais esperado do passeio, o Salar de Uyuni. Entramos no deserto branco e fomos direto ao Monumento Rali Dakar. Ali pertinho também fica o Monumento das Bandeiras, uma pracinha improvisada com bandeiras de diversos países, e o antigo hotel de sal, que foi desativado e hoje funciona como refeitório. Almoçamos lá e depois seguimos viagem.

Monumento das Bandeiras
Monumento das Bandeiras

Continuamos atravessando o deserto de sal até parar em um ponto para tirar as famosas fotos espelhadas e em perspectiva. A paisagem é surreal!

Foto em perspectiva, Salar de Uyuni
Foto em perspectiva com dinossauro é um clássico do Salar de Uyuni

Depois continuamos até a Isla Incahualsi, uma ilha com cactos gigantes com mais de 10 metros de altura. O mais impressionante é saber que eles ganham 1 centímetro por ano, ou seja, são cactos milenares.

Isla Incahualsi

Para finalizar o tour no Salar de Uyuni com chave de ouro, ainda acompanhamos o belíssimo pôr do sol naquele cenário incrível, bebendo um vinho boliviano.

Pôr do sol no Salar de Uyuni

Nosso dia terminou em um hotel com paredes e cama de sal, na vila de Santiago de Agencha. Aqui tínhamos banheiro no quarto, mas tivemos que pagar 20 bolivianos pelo banho quente.

Dia 2 – Lagoas coloridas, flamingos e deserto

O segundo dia no Uyuni é aquele com mais atrações. São cerca de 400 km passando pelas mais diversas paisagens, uma mais surpreendente do que a outra.

Nosso dia começa atravessando um caminho árido, sinuoso e cheio de lhamas, ao lado do Salar de Chiguana. Nossa primeira parada é no mirante do Vulcão Ollagüe, lugar onde tem uma lanchonete que vende choripán de lhama. Vale experimentar!

Mirante do Vulcão Ollagüe
Mirante do Vulcão Ollagüe

Depois partimos para a Laguna Cañapa, um cenário maravilhoso com flamingos na lagoa e montanhas com picos nevados ao fundo.

Laguna Cañapa
Flamingos na Laguna Cañapa

O almoço é em um cenário parecido, em um refeitório de vidro com vista para a Laguna Hedionda. Ela tem água azul clara e estava cheia de flamingos. Talvez foi o almoço com vista mais bonita que já tivemos.

Laguna Hedionda
Vista do almoço na Laguna Hedionda

Seguindo o roteiro de lagoas, paramos em um mirante para ver a Laguna Honda, mais uma rodeada pelas montanhas com picos nevados.

Depois, entramos no Deserto de Siloli e o cenário mudou completamente. A paisagem ficou marrom, rodeada de montanhas coloridas e montes com os picos nevados. No meio do deserto paramos para ver as viscachas, uma prima da chinchila que vive nos Andes, e depois continuamos em direção à famosa Árvore de Pedra, uma rocha com o formato que lembra uma árvore.

Árvore de Pedra
Árvore de Pedra

Para finalizar, entramos na Reserva Nacional de Fauna Andina Eduardo Avaroa e vimos mais uma lagoa cheia de flamingos, a Laguna Colorada. Essa tem como grande diferencial a cor vermelha, originada pelo sedimento de algas.

Laguna Colorada
Laguna Colorada

O dia termina em um hostel bem simples que fica no meio do nada. Aqui o banheiro era compartilhado e para tomar banho com água quente tinha que pagar 10 bolivianos.

Dia 3 – Gêiser, águas termais e Atacama

No último dia de tour, acordamos por volta das 4h, com -10ºC, para ir ao Gêiser Sol da Manhã. Chegamos lá às 6h, horário que o vapor dos gêiseres tem mais pressão.

Gêiser Sol da Manhã
Gêiser Sol da Manhã

O cenário é impressionante e o cheiro de enxofre bem forte. Vimos inclusive um ponto com lava saindo da terra. Mas fiquei mais impactado com a vista surreal do deserto coberto com uma fina camada de gelo. Jamais pensei que isso poderia existir.

Nosso próximo ponto foram as Termas de Polques, onde entramos em uma piscina natural com água a 35ºC, enquanto a temperatura ambiente era de 0ºC.

Termas de Polques
Termas de Polques

Depois ainda passamos pelo Deserto de Dalí, uma paisagem surrealista que realmente lembra os quadros do famoso pintor espanhol Salvador Dalí.

Ainda pela manhã, fomos a um mirante com vista para as Lagunas Verde e Branca, vigiadas pelo imponente Vulcão Licancabur. Essa foi nossa última parada antes de irmos para o Chile.

Laguna Verde
Laguna Verde e Vulcão Licancabur ao fundo

Por volta das 9h30 já estávamos na fronteira entre a Bolívia e o Chile para fazer a imigração e continuar nossa viagem em San Pedro de Atacama.

Após atravessar a fronteira, pegamos uma van da agência que nos deixou no centro da cidade. Chegamos lá por volta das 12h30 e tiramos a tarde para fazer check-in no hotel, dar uma voltinha no centro, trocar dinheiro e descansar. Pode apostar, você estará bem cansado depois dos três dias de tour pelo Uyuni.

Dia 4 – Laguna Cejar e Tour Astronômico

Laguna Cejar

Laguna Cejar, Atacama
Foto: Fui, Gostei Trips

Chile e Israel são os únicos lugares do mundo com lagoas com alta concentração de sal que não deixam o seu corpo afundar na água. A Laguna Cejar é um desses lugares onde podemos ter essa experiência única. Até quem não sabe nadar pode entrar na água que não vai afundar.

Tour Astronômico

Tour Astronômico, San Pedro de Atacama

As condições climáticas de San Pedro de Atacama fazem da cidade o melhor lugar do mundo para ver as estrelas. É por isso que o tour astronômico é um dos passeios clássicos da cidade.

O tour acontece em um lugar isolado onde conseguimos ver o céu estrelado sem interferência de luzes. Um astrônomo dá uma verdadeira aula sobre os corpos celestes, contando curiosidades sobre as estrelas, galáxias e planetas. Depois, observamos as estrelas por dois tipos de telescópio.

Lua no Tour Astronômico, Atacama
Foto da lua tirada pela lente do telescópio

Como fomos em época de lua cheia, conseguimos ver a lua com detalhes e ainda tirar uma foto dela através da lente do telescópio. O passeio com nossa agência ainda contemplava uma foto individual e outra em grupo tirada por uma profissional.

Para finalizar a noite, ainda tomamos um lanchinho com direito a vinho, chocolate quente, biscoitos e outros petiscos. O tour leva em torno de 2h30 e é feito ao ar livre. Uma dica é levar uma blusa mais quentinha, já que as noites no Atacama são frias.

Dia 5 – Piedras Rojas e Lagunas Altiplânicas

O tour das Piedras Rojas e Lagunas Altiplânicas é imperdível por sua diversidade das atrações. Ele dura cerca de 11h, passa por várias paisagens incríveis e ainda tem café da manhã e almoço incluso.

O passeio começa com uma parada na famosa placa do Trópico de Capricórnio, onde tomamos café da manhã e aproveitamos para tirar fotos na rodovia infinita.

Placa do Trópico de Capricórnio
Placa do Trópico de Capricórnio

Depois, partimos para as Piedras Rojas, um parque com pedras vermelhas, lagoa com água transparente e vista para montanhas e vulcões com picos nevados. Foi o passeio que mais gostamos no Chile!

Piedras Rojas
Piedras Rojas

Em seguida, fomos para as Lagunas Altiplânicas de Miscanti e Miñiques, lagoas irmãs de cor azul escuro que ficam de frente para vulcões com o mesmo nome.

Lagunas Altiplânicas
Laguna Miscanti com vulcão à esquerda

Para completar, ainda passamos na Laguna Chaxa, uma lagoa com flamingos ao lado de um campo aberto coberto de uma expeça crosta de sal.

Por fim, paramos no povoado de Socaire para termos nosso “almojanta”, já que chegamos lá por volta das 16h. Nesse passeio indicamos levar algumas coisas para comer no intervalo do café da manhã e almoço.

San Pedro de Atacama

Por que fizemos esses passeios?

San Pedro de Atacama

San Pedro de Atacama tem muitas opções de passeios e é indicado pelo menos cinco dias para conhecer os principais. Porém, depois de fazer o tour pelo Uyuni, é possível tirar alguns passeios do roteiro, já que muitos são parecidos com o que você já viu na Bolívia. Para economizar, já que o Chile é bem mais caro do que a Bolívia, indicamos esses três passeios que fizemos.

Mas como são muitas atrações no Atacama, você também pode fazer algumas variações, colocando os passeios do seu interesse nesse roteiro. Você pode solicitar o catálogo da agência Fui, Gostei Trips por meio deste link e ver todos os passeios, com informações completas de horários e preços.

Qual agência contratar no Atacama

Agência Atacama
Agência parceira que operou o tour no Atacama

San Pedro de Atacama tem uma infinidade de agências na Calle Caracoles, a principal da cidade. O serviço de todas é basicamente igual.

Como fechamos na Bolívia com a Fui, Gostei Trips, fizemos os passeios no Atacama com eles também. Além do suporte em português, uma grande vantagem é que a agência disponibiliza um chip de internet por grupo, o que facilitou muito nossa vida.

O serviço da agência foi de ótima qualidade. Andamos em vans novas e confortáveis, e os guias são muito bons. Explicaram tudo com muitos detalhes, sempre tirando todas as dúvidas do grupo.

Vale lembrar que temos um cupom de 10% de desconto no valor de reserva com a Fui, Gostei Trips. Basta solicitar o catálogo através deste link que o desconto será aplicado caso você feche algum passeio com eles.

Onde nos hospedamos no Atacama

Hostal Yurak
Foto: Booking

Como ficamos poucos dias no Atacama, optamos pelo Hostal Yurak, uma hospedagem aconchegante, confortável, mas sem café da manhã. O quarto é espaçoso, tem uma cozinha totalmente equipada, lavanderia e uma varandinha. Foi ótimo para lavar nossa bota depois dos três dias no Uyuni.

O hostel fica bem perto de mercados e a sete minutos da Calle Caracoles, a rua principal da cidade. Confira mais detalhes e faça sua reserva aqui.

Como San Pedro de Atacama é bem turístico, você encontra todos os tipos de hospedagens na cidade. Confira aqui mais opções de hotéis na cidade.

Onde trocar dinheiro no Atacama

San Pedro de Atacama não costuma ter uma cotação muito boa. Por isso, nossa sugestão é levar dinheiro no cartão Wise. Se você não conhece, a Wise é uma conta multimoeda, que oferece câmbio com cotação comercial e taxas bem baixas, tudo online pelo aplicativo.

Você pode conhecer mais clicando aqui e, se solicitar o cartão por esse link, você terá o benefício de fazer uma transferência de até R$ 3.000 sem a cobrança de tarifa.

Nós levamos praticamente todo nosso dinheiro nesse cartão, já convertido em peso chileno, e retiramos no caixa eletrônico da farmácia Cruz Verde, que fica na esquina da Calle Toconao com a Caracoles. Para fazer um teste, também usamos o cartão em um restaurante e funcionou normalmente.

Já para trocar dinheiro em papel, há uma lojinha do lado da farmácia Cruz Verde que também faz as vezes de casa câmbio.

Transfer até o aeroporto

O aeroporto mais próximo de San Pedro de Atacama fica na cidade de Calama, a 100 km e a 1h10 de viagem. Você pode fazer esse trajeto de ônibus, transfer ou táxi.

Pela comodidade e por conta do horário que tínhamos que sair, contratamos um transfer. Há muitas empresas que oferecem esse serviço, mas nós recomendamos a Transvip. Fizemos a reserva com antecedência pelo site e a van passou dentro do horário marcado, entre 5h e 5h30. Estava com tanto medo dela não passar que lembro bem que ela chegou exatamente às 5h26.

Fomos muito bem atendidos pelo motorista, fizemos ótima viagem (dormindo) e chegamos com uma boa antecedência no aeroporto para embarcar de volta para o Brasil.

One thought on “Salar de Uyuni e Atacama: roteiro de 5 dias e dicas para a sua viagem

Deixe um comentário